Realeza britânica praticava canibalismo

Canibalismo medicinal: Ambos Queen Mary II e seu tio Rei Charles II comeram crânio humano em seu leito de morte em 1698 e 1685, respectivamente, de acordo com Dr. Sugg

Realeza britânica jantava carne humana há 300 anos atrás, imagine agora?

Eles têm sido famosos, durante muito tempo, por seu amor a extravagantes banquetes e receitas ricas. Mas o que é menos conhecido é que a realeza britânica também tinha um gosto por carne humana.

Um novo livro sobre o canibalismo medicinal revelou que, provavelmente no final do século dezoito, a realeza britânica engolia partes do corpo humano.

O autor, Dr. Richard Sugg, acrescenta que esta não era uma prática reservada para monarcas, mas era comum entre os bem afortunados na Europa.

Apesar de eles próprios denunciarem os bárbaros canibais do Novo Mundo, eles comiam, bebiam ou usavam pó de múmia egípcia, gordura, carne, osso, sangue, cérebro e pele humana.

O musgo retirado do crânio de soldados mortos foi usado até mesmo como cura para hemorragias nasais, segundo o Dr. Richard Sugg da Universidade de Durham.

O corpo humano tem sido amplamente utilizado como um agente terapêutico nos tratamentos mais populares envolvendo osso, carne ou sangue, disse dr Sugg.

“O canibalismo foi encontrado não só no Novo Mundo, como se costumava crer, mas também na Europa”.

“Uma coisa que raramente são ensinadas na escola ainda é evidenciada em textos literários e um texto histórico desta época como este: James I recusava remédios de cadáver; Charles II fazia seus próprios remédios de cadáver, e o cadáver de Charles I foi transformado em remédios.

“Junto com Carlos II, aos usuários eminentes ou prescritores se incluíam Francisco I, cirurgião de Elizabeth I, John Banister, Elizabeth Grey, Condessa de Kent, Robert Boyle, Thomas Willis, William III, e a rainha Mary”.

Novo Mundo: Representação do canibalismo da tribo Tupinambá do Brasil, descrita por Hans Staden em 1557. Se o mito era verdadeiro ou não, ignoraram o fato de que os europeus consumiam carne humana

A história do canibalismo medicinal, Dr. Sugg argumenta, levantou uma série de importantes questões sociais.

Ele disse: “canibalismo medicinal utilizava o formidável peso da ciência, editoras, redes de comércio e teoria da educação da Europa”.

“Embora medicamento de cadáver tem sido apresentado como uma terapia medieval, isso teve seu auge durante as revoluções científicas e sociais da Grã-Bretanha no início da era moderna”.

“Isso sobreviveu ao século 18, e entre os pobres perdurou, teimosamente no tempo da rainha Vitória”.

“Independentemente da questão do canibalismo medieval, a comercialização de partes do corpo humano, agora, parece ser antiético para nós.

“No auge do canibalismo medicinal, corpos e ossos eram rotineiramente retirados das tumbas egípcias e dos cemitérios europeus. Não só isso, mas de alguma forma no século XVII, uma das maiores exportações da Irlanda para a Grã-Bretanha foi de crânios humanos”.

Uma pintura da decapitação de Charles I em 1649 mostra pessoas recolhendo o sangue do rei com lenços. Pensava-se ter propriedades curativas

O livro apresenta vários exemplos nítidos, muitas vezes perturbadores da prática, que vão desde a execuções na Alemanha e na Escandinávia, através dos tribunais e laboratórios da Itália, França e Grã-Bretanha, aos campos de batalha da Holanda e da Irlanda e segue até as tribos canibais das Américas.

A pintura que mostra execução de Charles I em 1649 mostra pessoas recolhendo o sangue do rei com lenços.

Dr. Sugg disse: Isto era utilizado para tratar o “mal do rei”- uma doença mais comumente curada pelo toque dos monarcas.

“Na Europa continental, onde o machado caia rotineiramente sobre os pescoços dos criminosos, o sangue foi o medicamento mais escolhido por muitos epilépticos.

“Na Dinamarca, o jovem Hans Christian Andersen viu, no cadafalso, pais dando ao filho doente, sangue para beber. Tão popular foi este tratamento que os carrascos mandavam seus assistentes, rotineiramente, recolher o sangue em taças, que jorrava do pescoço dos condenados para distribuir aos interessados”.

“Ás vezes um paciente furava a fila. Em uma execução no início do século XVI na Alemanha, um vagabundo agarrou o corpo decapitado, antes que tivesse caído, e bebeu seu sangue”.

A última ocorrência registrada desta prática na Alemanha foi em 1865.

Autor Dr Richard Sugg, da Universidade de Durham, mergulha no mundo sombrio do canibalismo medicinal em seu novo livro: Múmias, Vampiros e Canibais

Enquanto James I se recusou a tomar sopa de cérebro humano, seu neto Charles II gostou tanto da idéia que comprou a receita. Pagou talvez £ 6,000 para isso, ele, muitas vezes, destilou cérebro humano em seu próprio laboratório privado.

Dr. Sugg disse: “De acordo com antigos conhecimentos – as gotas do rei – como era chamado este remédio líquido foi muito usado contra epilepsia, convulsões, doenças mentais e, frequentemente, como um tratamento de emergência para moribundos”.

“Foi a primeira coisa que Charles procurou em 02 de fevereiro de 1685, no início de sua última enfermidade, e foi utilizado não só em seu leito de morte, mas também no leito da rainha Mary em 1698”.

A pesquisa do Dr. Sugg será apresentada em um próximo documentário do Canal 4 por Tony Robinson (UK), onde serão apresentadas as reconstruções de antigas receitas de medicamentos usados pelos antigos canibais com ajuda de cérebros, sangue e crânios de porcos.

O livro chamado Mummies, Cannibals and Vampires será publicado em 29 de junho de 2011 por Routledge que documenta a história européia da medicina de cadáver desde a Renascença até a era Vitoriana, longamente esquecida.

Fonte: http://www.dailymail.co.uk/news/article-1389142/British-royalty-dined-human-flesh-dont-worry-300-years-ago.html#ixzz1MvLOrek5

Saiba mais: Fetos abortados usados em alimentos

canibalismo de fetos na china, cadáveres moídos de bebês, reino unido,grã-bretanha, união sovietica, fome, fetos abortados, alimento, sopa, bebidas
Advertisements

One thought on “Realeza britânica praticava canibalismo

  1. Pingback: Fetos abortados usados em alimentos | Agenda 21

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s